Mulher de meia idade analisando seus problemas financeiros
  • 28 junho, 2019
  • Por Fábio Augusto
  • Produtividade no trabalho

Como os problemas financeiros dos seus funcionários afetam a sua empresa

Gestor, você encontra o seu funcionário desmotivado e em queda de desempenho na empresa? Ele pode estar com problemas financeiros.

Tal situação é recorrente. Tanto que, no início de 2019, o índice de endividamento do brasileiro subiu de 59,8% para 60,1%, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic).

Já o CNDL afirma que, em média, o valor das dívidas em atraso é três vezes maior que o salário mínimo, chegando a R$ 3.239,48. Estes dados foram levantados em maio de 2019.

Entre os motivos mais simples que levam a esses números astronômicos, podemos destacar a falta de educação financeira e a ausência de controle de gastos.

Consequentemente, sem esse conhecimento, a situação se agrava e torna-se um problema para o cotidiano do colaborador.

Afinal, até que ponto isso pode atrapalhar o desempenho de um trabalhador? O contexto de endividamento causa inúmeros aborrecimentos. Conheça alguns no post de hoje.

Estresse financeiro

Ter problemas financeiros não é fácil. São circunstâncias delicadas e que diversas pessoas enfrentam durante a vida.

A preocupação gerada leva a uma situação de estresse, o que afeta diretamente todos os aspectos do cotidiano de quem está em débito.

Aliás, o ambiente de trabalho é um deles. Com tais problemas pessoais, o devedor pode tomar atitudes desagradáveis, como faltar, chegar atrasado ou simplesmente não estar conectado e empolgado com os afazeres dentro da empresa.

Agentes estressantes

A origem desses problemas pode estar em diversas situações.

Listamos algumas delas:

  • medo das contas chegarem e da inadimplência, o que pode acarretar em ansiedade, raiva, pânico e demais fatores psicológicos desagradáveis;
  • alto padrão que a sociedade capitalista impõe, o que influencia a comprar mais do que, talvez, seja necessário;
  • receio de perder o emprego e não conseguir renda suficiente para arcar com todas as despesas criadas pelo devedor;
  • há características individuais, como idade, gênero, formação, renda, família, amigos, costumes, pois, cada uma delas torna a pessoa suscetível a diferentes gastos;
  • status profissional e social que, como consequência, causa medo de retrocesso e
  • sentimento de ser pouco valorizado e prejudicado financeiramente no ambiente de trabalho.

Problemas financeiros x desempenho profissional

Como citado no tópico acima, os problemas financeiros interferem diretamente no desempenho profissional. Aliás, isso vem se tornando um desafio quase que corriqueiro em todas as instituições.

Por exemplo, um estudo realizado pela empresa MetLife constatou que 58% das empresas entrevistadas declararam que já houve casos de funcionários faltarem ao serviço ou terem outros problemas de disciplina por causa de dívidas.

Além disso, uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas aponta o que todos previam: um funcionário que contrai alto débito passa a dar atenção toda à dívida, diminuindo sua dedicação ao trabalho.

Da mesma forma, o estudo mostra que os endividados ficam de “cabeça quente”, prejudicando seu sono e sentimento de tranquilidade.

Entenda o problema

Já sabemos que esse cenário provoca reações indesejáveis, tanto para o empregador, quanto para o empregado.

Nesse sentido, o colaborador pode:

  • identificar o problema e o encarar de forma real;
  • procurar saber qual a dívida total, examinando o extrato bancário e a fatura do cartão de crédito;
  • identificar os principais tipos de gasto que geram uso excessivo do cartão de crédito e cortá-los da rotina;
  • conversar com alguém que entenda de finanças e possa ajudar;
  • negociar o débito junto ao banco ou agência financeira;
  • ter em mente que, em uma renegociação, é de interesse das instituições receber o valor da dívida e utilizar tal informação a seu favor;
  • encontrar as motivações pessoais que geraram a dívida e os fatores que deram origem a ela para se prevenir em um segundo momento;
  • reduzir o orçamento. É muito importante se adequar à realidade e gastar apenas com bens e serviços essenciais;
  • poupar o máximo possível. Com dinheiro guardado, é possível evitar surpresas desagradáveis.

Segundo a Bank of American Merrill Lynch, em 2017, as pessoas sob estresse financeiro impactam a empresa em:

  • produtividade: 53% dos colaboradores financeiramente estressados perdem a habilidade de manter o foco e tiveram a produtividade comprometida;
  • custos com saúde: 35% dos colaboradores financeiramente estressados observaram impacto direto em sua saúde;
  • rotatividade: 76% dos colaboradores afirmam que seriam atraídos por outra empresa que se preocupasse mais com seu bem-estar financeiro.

Converse com seu funcionário

O gestor precisa, antes de tudo, demonstrar tato e empatia pelo funcionário, lhe ajudando a tomar as melhores escolhas para mudar sua situação. Vale salientar que problemas que relacionados a dinheiro podem também estar envolvendo outras questões particulares, como questões de saúde, transtornos e problemas familiares.

Dessa forma, diante de uma boa conversa, você, gestor, poderá identificar o real motivo que levou seu funcionário a chegar a esta situação. Se precisar, procure ajuda de alguém na empresa que tenha mais habilidade/proximidade para dialogar com o colaborador.

Entenda suas necessidades

Nessas situações, a área de Recursos Humanos tem papel fundamental.

Além de regular salários, cargos e funções para todos dentro da empresa, o RH atua como amigo do colaborador, entendendo suas necessidades, ajudando-o a resolver, motivando-o e, ao mesmo tempo, trazendo soluções para a empresa.

Ofereça diferenciais

Além dos tradicionais vale-transporte e vale-alimentação, algumas empresas garantem aos seus funcionários outros benefícios.

Por exemplo, um plano de assistência médica pode ajudar o colaborador que enfrenta dificuldades de saúde. Com isso, a empresa auxilia o seu time de profissionais no desenvolvimento de qualidade de vida e uma melhor saúde financeira.

Adote a educação financeira na sua empresa

Para que a empresa possa ajudar seus funcionários na superação desses problemas, a educação financeira pode ser a solução. Aplicando-a, a empresa ajuda e capacita seus colaboradores a reduzir gastos e, por consequência, seu nível de estresse, além de aumentar o comprometimento deles com o trabalho.

Você sabia que um dos maiores benefícios do crédito consignado, além da facilidade de acesso, é a reduzida taxa de juros a que é submetido. Tais características o torna uma excelente opção para o colaborador que se encontra endividado.

Nesse sentido, seria necessário explicar e mostrar novas opções de Crédito com taxas mais vantajosas como o consignado. Assim, instituições como o euConsigo Mais podem disponibilizar diversos benefícios financeiros com desconto em folha de pagamento. Entre no nosso site e preencha o formulário para ter acesso a mais informações!

Se seus funcionários estão com problemas financeiros, veja nosso post de como promover o bem-estar no trabalho e aumente produtividade na empresa!

Fábio Augusto

Fábio Augusto

Jornalista, gerente de Comunicação e Marketing da Zetra, e trabalha sempre focado em ações de engajamento do público interno e externo.

Newsletter

Mais popular

CTA
^