Educação financeira para crianças sendo representada por imagem de uma mulher ensinando seu filho pré-adolescente
  • 10 maio, 2019
  • Por Bruna Gonçalves
  • Educação Financeira

Educação financeira para crianças: ensine o seu filho desde cedo

Uma pesquisa sobre educação financeira mostrou que cerca de 45% dos brasileiros não controlam as próprias finanças. A falta de hábito nesse sentido, é claro, gera prejuízos. Mas você sabia que isso está relacionado à falta de educação financeira para crianças?

Aprender sobre dinheiro desde cedo ajuda a manter uma visão adequada em relação ao tema e melhora os resultados em médio e longo prazo. Portanto, para quem é pai, mãe ou responsável, cuidar desse aspecto faz toda a diferença.

Na sequência, entenda o papel da educação financeira para os pequenos e saiba mais sobre como educar seus filhos de forma positiva.

Como é a educação financeira nas escolas?

O ambiente escolar é um dos primeiros contatos das crianças com a sociedade, com o conhecimento e com a aprendizagem. Há diversos processos, como o de alfabetização, apresentação das operações matemáticas e de outros conceitos.

No entanto, a educação financeira fica de fora da maior parte das instituições. Para se ter uma ideia, menos de 8% das escolas do Centro-Oeste e do Nordeste brasileiro têm esse elemento no currículo. Isso faz com que o tema não esteja nos centros das discussões ao longo do desenvolvimento infantil e mesmo do Ensino Médio.

Os estudantes, por sua vez, não entendem como se aplica ao cotidiano e, então, não conseguem ter visibilidade sobre a importância do assunto. Na prática, é algo que afeta negativamente a vida adulta. Por outro lado, a situação promete ser transformada.

A Base Nacional Comum Curricular determinou a inclusão da educação financeira nas escolas, especialmente para o Ensino Médio. Então, é esperado que as aulas interdisciplinares sobre o tema ganhem destaque nos próximos anos.

Por que ensinar educação financeira para crianças?

A educação financeira tem tudo a ver com consistência, disciplina e hábitos. É preciso construir esse processo desde cedo e é por isso que faz todo o sentido ensinar o tema para crianças.

Quando os pequenos entendem  a necessidade de planejamento conseguem desenvolver uma relação saudável com o dinheiro. É como a alimentação: bons hábitos desde cedo dão origem a um comportamento adequado e longe de exageros.

Dessa forma, o principal impacto é o que ocorre na vida adulta de quem aprende. Isso forma adultos mais conscientes e disciplinados sobre o tema. Assim, acostumados desde cedo a poupar e a ter consistência, levam esse ensinamento por toda a vida.

Portanto, os jovens tornam-se preparados para administrar o próprio salário e o orçamento doméstico, por exemplo. Isso potencializa seus recebimentos, ou seja, o dinheiro deixa de ser um problema e se transforma no meio para realizar sonhos e obter segurança.

Como estimular esse aprendizado?

Já que se trata de um tema tão importante, é preciso que o processo de aprendizagem aconteça da melhor maneira. Aliás, tudo começa mesmo em casa e, a partir dos 3 anos, já é possível passar a abordar o assunto.

Quer saber como? Continue a leitura descubra como estimular a educação financeira infantil e torne o seu filho consciente desde cedo!

Utilize livros e materiais didáticos

Além de histórias para dormir e contos de fadas, os livros também trazem informações importantes sobre o dinheiro. Para utilizá-los da forma adequada, o ideal é buscar livros que ensinam educação financeira para crianças. Com uma abordagem lúdica e didática, eles desenvolvem conceitos relevantes para os pequenos.

Títulos como “Meu Dinheirinho”, “Zequinha e a porquinha Poupança” e “Almanaque Maluquinho: Pra que dinheiro?” são boas opções.

Há, ainda, outros materiais didáticos, como apostilas, encartes e até vídeos e desenhos. O truque é escolher elementos que despertem o interesse dos pequenos e que tragam, também, um toque de diversão para o aprendizado.

Ofereça uma mesada condizente

Depois de firmar os primeiros conhecimentos, é hora de colocar tudo em prática. A melhor maneira de fazer isso é ao oferecer uma mesada que seja condizente com a idade e com as necessidades da criança.

Especialmente para os menores, o valor não precisa ser muito alto. No entanto, essa prática dará uma ideia de se o pequeno entende o quanto de dinheiro existe nesse montante e se ele sabe administrar, poupar e utilizar da forma correta. Além disso, esta é uma ótima oportunidade para orientá-lo.

Aposte nas brincadeiras para reforçar o aprendizado

A educação financeira para crianças não precisa e nem deve ser um assunto chato. Quanto mais envolvente for, melhores são os resultados e maiores são os impactos positivos. Por isso, vale recorrer às brincadeiras para que o aprendizado saia fortalecido.

Jogos como Banco Imobiliário, Monopoly e Jogo da Vida ajudam a ter um conhecimento do uso do dinheiro. Também dá para apostar em simulações de comprinhas, jogos de perguntas e respostas e assim por diante.

Estimule as decisões financeiras

Já que a prática é tão importante, nada melhor que trazer a criança para um cenário que envolve as decisões financeiras. A recomendação é incluir o pequeno, dentro de suas capacidades, em decisões diversas.

Pedir a opinião da criança na hora de comprar um item de supermercado, por exemplo, pode fazer com que ela pondere sobre custos e necessidade.

Também é o caso de estimular a economia e fazer com que o pequeno aprenda a juntar dinheiro para realizar um desejo, como comprar um brinquedo. Quanto mais proativo o seu filho for, melhor será o uso do dinheiro no futuro.

Não compre o bom comportamento

Embora ensinar a educação financeira seja importante, é indispensável não cometer alguns erros comuns aos pais. Um deles tem a ver com a compra de bom comportamento. Assim que a criança aprende o valor do dinheiro, muitos responsáveis utilizam essa abordagem para que o pequeno estude ou faça as tarefas em casa.

No entanto, é fundamental que os rebentos saibam que a vida tem diversas obrigações — e, para algumas, a recompensa não é financeira. Por isso, não use os valores como moeda de troca. Com esse cuidado, é possível reforçar a disciplina do jeito certo.

A educação financeira para crianças ajuda a criar adultos responsáveis e financeiramente conscientes. Com as abordagens corretas, dá para garantir a consolidação de conceitos relevantes desde cedo.

E vocês, pais e mães, também precisam de ajuda para utilizar melhor suas economias? Conheça 3 alternativas ao reajuste salarial e potencialize seu salário.

Bruna Gonçalves

Bruna Gonçalves

Jornalista, especialista em Comunicação e Marketing da Zetra, e atua na gestão de projetos corporativos e na elaboração de estratégias de marketing empresarial.

Newsletter

Mais popular

CTA
^