Homem feliz olhando para o teto com os braços para trás.
  • 26 fevereiro, 2019
  • Por Fábio Augusto
  • Qualidade de vida nas empresas

Potencializar salário gera satisfação no trabalho! Saiba tudo!

Promover educação financeira é fundamental para melhorar a satisfação no trabalho. De acordo com uma pesquisa inédita realizada pela Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), 84% dos trabalhadores brasileiros estão endividados. Claramente, estes têm sua performance impactada por suas preocupações ligadas aos problemas daí decorrentes.

Um dado importante demonstrado pela mesma pesquisa foi o de que apenas 16% dos entrevistados são capacitados financeiramente. Ou seja, conseguem arcar com as suas contas mensais apenas com seu salário e ainda planejar os gastos com antecedência.

Por um lado, os colaboradores têm de lidar com o estresse financeiro vivendo endividados. E às vezes, com um salário menor do que as suas necessidades.

Por outro, muitas empresas acabam tendo de enfrentar uma alta rotatividade de funcionários e perdas nos níveis de produtividade. Sendo esse, o resultado de trabalhadores que desempenham suas atividades sob intenso stress financeiro.

A melhor maneira de reverter esse quadro é um empoderamento dos salários. Podendo ser aliado à capacitação e conscientização do trabalhador.

Quer entender melhor essa relação? Continue a leitura!

Salários mais atrativos e educação financeira: qual a relação com a satisfação no trabalho?

O estresse financeiro é um problema que afeta muitas empresas e torna a vida dos colaboradores complicada.

Um estudo realizado por Fábio Gadelha, em 2017, mostrou que a realidade brasileira é semelhante à de outros países nos quais os efeitos do estresse financeiro têm sido mais estudados, como os Estados Unidos.

As análises mostraram que quanto mais preocupados com dinheiro estão os funcionários… Mais eles tendem a faltar do serviço e a render menos do que o esperado.

E aí entra mais um problema: funcionários desmotivados com a empresa e com o salário. Desse modo, tendem a buscar posições alternativas em outras empresas. Tendendo a aumentar a rotatividade de pessoal e torna difícil conseguir consolidar bons resultados ou criar políticas internas de qualidade.

Apesar disso, muitas empresas continuam “fechando os olhos” para a realidade, e insistem na oferta padrão de benefícios que não são percebidos como importantes pelos colaboradores, e que têm pouco ou nenhum impacto em sua realidade financeira.

Não se trata de se desconsiderar o impacto benéfico de ações que visem a melhoria da condição do trabalhador. É fato é que dificilmente benefícios como possibilidade de trabalho via home office ou outros atrativos serão suficientes para livrá-los do estresse financeiro e apoiá-los na construção de um financeiro mais sustentável.

Ainda que a forma de trabalho tenha se alterado nos últimos anos e as gerações tenham percepções diferentes sobre a carreira, salários atrativos são sempre diferenciais importantes, e fundamentais para atrair e reter talentos e melhorar a satisfação no ambiente de trabalho. Afinal, empregados felizes trabalham com mais propósito, mais e melhor.

Será que meus colaboradores estão enfrentando estresse financeiro?

Já está convencido de que o estresse financeiro é um grande vilão tanto do bem-estar dos seus funcionários como da lucratividade da sua empresa? Pois saiba que existem alguns sinais que indicam que esta pode ser uma situação vivenciada pelos seus colaboradores, tais como:

  • aumento no número de faltas mal justificadas;
  • atrasos que se tornam frequentes;
  • mau relacionamento entre os colegas;
  • queda na produtividade;
  • atendimento ruim por parte dos colaboradores (e consequente perda de clientes);
  • negócios que não se concretizam ou baixa das vendas;
  • aumento do número de acidentes de trabalho;
  • aumento no número de assistência médica tanto ao trabalhador como a sua família;
  • falta de foco dos colaboradores nas estratégias da empresa;
  • alta rotatividade das equipes.

É claro que nem todos esses sinais podem estar presentes e alguns podem aparecer em maior ou menor grau, dependendo do setor. Porém, a recorrência de mais de um deles é suficiente para acender o sinal vermelho do RH. Assim, mostrando que algo está errado internamente.

Como posso reverter esse quadro?

O primeiro ponto é analisar friamente como os salários pagos aos seus funcionários estão diante da concorrência. Fazer uma pesquisa de mercado é essencial para compreender se, realmente, a empresa está oferecendo salários muito abaixo da média ou se eles não possuem relação com o nível de qualificação exigido pelos seus profissionais.

Mais do que isso, é fundamental que o RH esteja aberto a discutir e debater essas situações de estresse financeiro. A fim de compreender suas aflições e de oferecer diferentes níveis de suporte quando cabível.

Invista em programas de educação financeira

Num ambiente que a empresa oferece remuneração compatível com a média de mercado, um grande diferencial está na oferta de programas de educação financeira, de forma a ajudar o colaborador a se organizar e aumentar o seu poder de compra, sem ter que mexer no salário oferecido.

Existem muitos programas que podem ser usados nesse sentido, como palestras empresariais sobre realização de orçamento doméstico e controle de dívidas, investimentos financeiros e outros temas que ajudem a fazer o salário “render mais” no fim do mês.

Além das palestras, as empresas podem investir em programas de consultoria financeira, com workshops, cartilhas, e-books, etc… Entre outras ações que visem desenvolver nos funcionários uma cultura diferenciada, estimulando o planejamento financeiro e o pensamento focado no futuro.

Ofereça diferenciais que impactem positivamente a vida financeira dos colaboradores

Os vale-transporte e vale-alimentação são fatores importantes para o bem-estar financeiro dos colaboradores. Mas não devem ser os únicos. É importante tentar compreender as contas que mais impactam a vida dos seus funcionários e se colocar como parceiro na resolução de algumas delas.

Por exemplo, um plano de assistência médica para o colaborador e a família ajuda a melhorar a organização financeira dos seus empregados. Assim, como o auxílio na formação dos fundos de previdência privada, ajudando a desenvolver uma condição financeira mais estável para os próximos anos.

Hoje, existem programas voltados exclusivamente para expandir o bem-estar financeiro, como créditos específicos para viagens, com taxas mais atrativas do que outros tipos de empréstimos e outros oferecidos pelas empresas diretamente aos seus funcionários.

Considere a situação financeira dos colaboradores de forma individual

Não é difícil para os gestores identificarem quais colaboradores estão passando por problemas financeiros. Afinal, existem sinais claros da situação como:

  • dificuldades de relacionamento
  • problemas de saúde
  • transtornos emocionais.

Nessas horas, é importante intervir com tato e delicadeza, de preferência tratando do assunto de forma particular para evitar o constrangimento do seu funcionário.

Converse de forma aberta e tente entender porque o seu colaborador está sem controle das próprias finanças. Então, juntos definam estratégias para reverter esse quadro.

Por exemplo, indicando os programas de educação financeira da empresa ou empréstimos e créditos específicos descontados em folha de pagamento.

Quais os benefícios de trabalhar o bem-estar financeiro dos colaboradores?

É importante ressaltar, que o investimento no bem-estar financeiro dos funcionários é um programa a longo prazo. Porém, capaz de trazer resultados bastante animadores.

Desse jeito, a sua empresa está se colocando como parceira dos seus colaboradores. E  aí muitos passam a internalizar esses conhecimentos e a vê-los, realmente, como benefícios.

Veja algumas das vantagens de investir em programas assim:

  • atração e retenção de talentos;
  • aumento na motivação e na produtividade das equipes;
  • redução do absenteísmo e do presenteísmo;
  • melhoria no clima organizacional;
  • aumento da satisfação no trabalho;
  • melhoria na forma como os seus Stakeholders passam a enxergar a sua empresa.

Como você viu neste conteúdo… O estresse financeiro é um problema grave e que pode afetar os colaboradores da sua empresa.

Imediatamente diminuindo a sua satisfação no trabalho. Essa situação gera muitos prejuízos aos negócios, reduzindo a produtividade das equipes e, claro, a lucratividade geral das companhias.

Para reverter o quadro, além de oferecer salários atrativos e compatíveis com as exigências dos cargos, é importante pensar em formas de ajudar os seus colaboradores.

Por exemplo, por meio de programas de educação financeira ou utilizando benefícios financeiros específicos.

Você já tinha pensado nessa possibilidade? Está notando os sinais do estresse financeiro na sua empresa? Venha conversar com nosso time de especialistas e descubra como melhorar a saúde financeira dos seus colaboradores e aumentar a satisfação no trabalho!

 

Fábio Augusto

Fábio Augusto

Jornalista, gerente de Comunicação e Marketing da Zetra, e trabalha sempre focado em ações de engajamento do público interno e externo.

Newsletter

Mais popular

CTA
^