qualidade_de_vida_no_trabalho_euconsigomais
  • 04 abril, 2019
  • Por Bruna Gonçalves
  • Qualidade de vida nas empresas

Qualidade de vida no trabalho: o que é e por que é importante

Criar um ambiente profissional adequado é essencial para garantir os melhores resultados — tanto para a empresa, quanto para os colaboradores. Nesse sentido, a qualidade de vida no trabalho é indispensável. Em um cenário dinâmico e com diversas gerações trabalhando em um mesmo ambiente, trata-se de um elemento especialmente importante.

Na prática, trata-se de um componente que gera bons impactos na carreira, no clima organizacional e em diversos setores do empreendimento.

Na sequência, descubra o que é relevante sobre a qualidade de vida no ambiente laboral e entenda o que evitar e o que fazer para melhorar este indicador.

O que é a qualidade de vida no trabalho?

Em um contexto organizacional, como ao considerar o papel do RH na saúde, o termo qualidade de vida no trabalho também é conhecido como QVT. Em inglês, o termo é Quality of Work Life (QWL).

Segundo um estudo publicado pela Universidade de Presov, o conceito abraça diversas definições. Pode ser considerado, por exemplo, “uma abordagem ou método de técnica específica para melhorar o trabalho”. Também há a ideia de ser “um meio de pensar sobre pessoas, trabalho e organizações”.

Além disso, “a qualidade de vida no ambiente de trabalho significa algo diferente para cada indivíduo. Também é provável que varie de acordo com a idade, estágio na carreira ou posição na empresa.

Trata-se, portanto, de uma abordagem voltada para otimizar o ambiente de trabalho, considerando as necessidades dos colaboradores. A ideia é definir configurações específicas que ajudem a tornar o espaço mais agradável e capaz de melhorar a experiência das pessoas que o ocupam.

Tem a ver com o bem-estar de todos os envolvidos nas diversas funções de uma organização. Há cerca de 4 décadas, a teoria sobre a QVT foi criada e, desde então, tem sido aperfeiçoada com novos hábitos.

Qual a importância da qualidade de vida dentro de uma empresa?

Um dos aspectos mais relevantes desse fator é que ele é um dos grandes responsáveis por estabelecer o bem-estar no ambiente.

Ou seja, um espaço que tem maior qualidade de vida é considerado melhor, mais agradável e muito interessante para as pessoas. Efetivamente, trata-se de um elemento que tem impacto na forma como os indivíduos trabalham.

Principalmente, é algo relacionado com a produtividade — e com todos os seus componentes. Inclusive, este é um tema recorrente entre pesquisadores de todo o mundo.

Segundo pesquisas da Universidade Federal do Paraná, a melhoria nesse aspecto faz com que os funcionários fiquem saudáveis, comprometidos e produtivos. Com isso, o negócio obtém resultados diferenciados.

Já de acordo com pesquisadores da Universidade de Kerala, mais qualidade de vida no ambiente laboral diminui o absenteísmo e a taxa de rotatividade, o que reduz a necessidade de substituições.

Também é algo que aumenta o sentimento de pertencimento, favorece o crescimento de carreira e melhora a tomada de decisão.

Ou seja, na prática, isso tem a ver com a conquista de objetivos estratégicos.

Qual é a relação entre qualidade de vida e clima organizacional?

Um ponto fundamental sobre o desenvolvimento do QVT é que os impactos positivos não acontecem apenas de maneira individual. Na verdade, é possível conquistar uma melhoria coletiva em relação a todo o ambiente de trabalho e ao clima organizacional.

Assim, com a aplicação adequada da técnica, todos saem ganhando.

Para pesquisadores da Universidade de Ibadan, o clima organizacional está diretamente ligado à qualidade de vida no trabalho. Juntamente à inteligência emocional e ao estilo de liderança, esses componentes melhoraram o desempenho nos negócios.

Um levantamento da Universidade Federal de Tocantins corrobora com essa relação. Segundo o estudo, a qualidade de vida é um fator crítico para que se conquiste um bom clima organizacional.

O clima da organização é determinante para o comprometimento, segundo a publicação Management Communication Quarterly. Trata-se, portanto, de um resultado em cadeia positivo para o negócio.

Que fatores determinam a qualidade de vida no trabalho?

Tão importante quanto entender a necessidade desse aspecto é compreender quais são os fatores que o afetam. Ao descobrir os componentes de formação da qualidade de vida no trabalho, é possível fortalecer esses pontos específicos e conquistar os resultados esperados.

Para entender melhor, veja o que forma esse aspecto e descubra qual é o peso de cada elemento.

Satisfação com o trabalho

Um dos aspectos mais relevantes para garantir um nível elevado de qualidade tem a ver com a satisfação no ambiente. Trabalhadores mais satisfeitos e felizes, normalmente, têm uma percepção otimizada sobre desempenhar a função.

Para tanto é preciso, por exemplo, contar com um clima organizacional adequado e com boas relações interpessoais. A motivação também é um fator secundário, assim como o cuidado com a saúde. Ao saber como agir e o que evitar nesse sentido, portanto, há um nível maior de satisfação coletiva.

Remuneração justa

Em relação a outros fatores de qualidade de vida no trabalho, uma pesquisa apresentada no XIII Simpósio de Engenharia de Produção (SIMPEP), levantou outras alternativas. A compensação compatível é um ponto importante e inclui, principalmente, um salário adequado.

Além disso, há a questão dos benefícios. Em média, 67% dos brasileiros preferem essas compensações em detrimento a um salário maior.

Feedback

Especialmente para as novas gerações, o retorno sobre as atividades desempenhadas é um fator essencial. Um bom feedback melhora a utilização das competências e favorece o desenvolvimento de capacidades. Também é um meio de obter crescimento e de fortalecer a atuação no empreendimento.

Desde que seja oferecida corretamente, a crítica construtiva é preferida pelos funcionários, em relação a um elogio.

Igualdade de oportunidade e tratamento

A equidade profissional é mais um aspecto levantado pelos pesquisadores. Um papel do RH é, justamente, oferecer condições adequadas para que as pessoas possam se desenvolver de maneira igualitária.

É o caso de estabelecer programas baseados na meritocracia, bem como garantir a integração social completa. Isso favorece as relações interpessoais, as quais interferem positivamente no aumento da satisfação.

Autonomia

Para completar, é importante oferecer um bom nível de autonomia para o desenvolvimento. Em vez de estruturas rígidas, os colaboradores valorizam configurações flexíveis e que tragam algum nível de liberdade.

Isso tem tudo a ver com RH e saúde, já que é algo que impacta o bem-estar. Também é um meio de otimizar a percepção e, desse modo, melhorar a integração.

Como a qualidade de vida no trabalho pode ser mensurada?

Em todo esse processo, um dos papeis do RH consiste em acompanhar os resultados obtidos.

Sempre há espaço para melhorias e somente com a verificação do desempenho é possível verificar quais são os pontos que demandam um nível maior de atenção. Dessa forma, a medição é indispensável.

Ela pode ser feita por um meio indireto. Como?

Ao acompanhar o índice de rotatividade, por exemplo, dá para inferir se as pessoas estão mais ou menos satisfeitas. Também é possível analisar o desempenho quanto à produtividade e engajamento. Em geral, valores maiores apontam para uma qualidade de vida no trabalho ampliada.

As análises qualitativas não ficam de fora. De acordo com uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais, o uso de questionários é uma forma prática e com baixo custo para acompanhar as impressões das pessoas.

E, além de trazer eficiência, permite identificar o que evitar e o que é preciso implementar na empresa. Assim, os indivíduos conseguem atingir novos patamares em suas carreiras.

Qual é o papel do RH nesse cenário?

Por se tratar de algo tão impactante para os resultados da organização, convém entender que a qualidade de vida no espaço de trabalho não acontece de forma automática. O processo não se consolida apenas ao contratar as pessoas certas.

O papel do RH na obtenção de QVT é determinante, já que é o segmento o responsável por toda a estruturação do processo.

Na prática, significa dizer que o papel do RH consiste em levantar quais são as principais necessidades e saber aplicar as soluções específicas.

Através de uma pesquisa de clima organizacional, por exemplo, é possível identificar a clara ligação entre a satisfação dos funcionários e as práticas da empresa. Assim, o setor consegue planejar as ações a serem consolidadas e ampliar a qualidade de vida, dentro do esperado.

Também é papel do RH acompanhar a implementação da abordagem, bem alavancar táticas e mensurar o desempenho.

Caso algo não ofereça os resultados esperados, é esse segmento que pode tem o poder de tomar decisões melhores para otimizar a conquista de performance.

O que fazer para ter um ambiente de harmonia e sucesso?

Após a compreensão do que se deve implementar na empresa e o que evitar, é o momento de aplicar as ações de qualidade de vida no trabalho de forma estruturada. Com o ambiente certo, os resultados das medições se tornam ainda melhores. Mas, como aplicar esse conceito?

Na sequência, veja quais são os aspectos para criar um espaço de harmonia e sucesso.

Estruture mudanças na gestão

Como dito, o feedback é um aspecto fundamental para a QVT, assim como a autonomia e a igualdade social. Para que todos esses elementos se consolidem, a gestão deve acompanhar essas necessidades e, se preciso, realizar uma mudança de mentalidade corporativa.

Como a falta de uma liderança adequada está entre os aspectos a serem aprimorados este é um dos assuntos de maior urgência a ser tratado.

Garanta que os responsáveis pelo gerenciamento entendam a importância da qualidade de vida e estimule a criação de cultura do feedback e de reconhecimento.

Desse modo, as pessoas se sentirão muito mais satisfeitas em suas funções.

Pense na saúde dos colaboradores

Já que RH e saúde dos profissionais têm tudo a ver, esse é um elemento que deve ser trabalhado para otimizar o ambiente.

É importante oferecer um espaço físico adequado, ergonômico e confortável aos colaboradores. Além de melhorar a experiência, é uma forma de evitar problemas em relação à segurança do trabalho, por exemplo.

Também vale a pena pensar em desenvolver atividades no próprio espaço. Programas de ginástica laboral são opções indicadas, já que oferecem relaxamento e bem-estar. A ideia deve ser selecionar alternativas consistentes com as necessidades coletivas.

Invista na capacitação

Como o desenvolvimento dentro da estrutura laboral é um ponto desejável, é essencial buscar a elevação do nível de capacitação. Funcionários mais bem treinados, normalmente, conseguem desempenhar o trabalho de forma melhor. Isso gera reconhecimento e, portanto, motivação.

A capacitação das lideranças também é bem-vinda. Além de servir para consolidar a mudança da melhor maneira, é uma forma de garantir uma atuação sempre atualizada. Isso gera a diferenciação necessária para que os colaboradores queiram permanecer no empreendimento por um tempo maior.

Cuide da educação e da capacidade financeira

O estresse financeiro é um dos aspectos mais problemáticos para a qualidade de vida no ambiente laboral. Quando o colaborador está preocupado com a falta de dinheiro ou com as dívidas, não consegue se engajar e perde rendimento. A saída, portanto, é oferecer soluções para o problema.

Uma indicação consiste em apresentar serviços ligados à educação financeira. Mais que aumentar o salário, essa iniciativa traz um nível maior de consciência para que os colaboradores reforcem seus ganhos.

Também vale oferecer acesso a outras ferramentas, como produtos financeiros com custos diferenciados. A euConsigo Mais é uma plataforma voltada exatamente para essa proposta.

Com diversas ofertas financeiras e elementos de educação, permite que os funcionários potencializem os seus ganhos e atinjam maior nível de satisfação, tranquilidade e engajamento.

Além de tudo, a euConsigo Mais não gera nenhum gasto extra para o empreendimento. Isso faz com que até pequenas e médias empresas possam aproveitar a possibilidade, de modo a melhorar o papel do RH e a ligação do setor com a saúde e o bem-estar dos colaboradores.

A qualidade de vida no trabalho é essencial para que a organização se consolide e conquiste novos resultados — tanto quanto à carreira dos profissionais, quanto em relação ao clima organizacional.

Ao reconhecer o papel do RH, o que é preciso implementar na empresa e o que evitar, é possível obter um bom desempenho nesse sentido.

Para ser capaz de compreender a experiência dos colaboradores de forma completa, entenda o que é e por que realizar a pesquisa de clima organizacional.

Bruna Gonçalves

Bruna Gonçalves

Jornalista, especialista em Comunicação e Marketing da Zetra, e atua na gestão de projetos corporativos e na elaboração de estratégias de marketing empresarial.

Newsletter

Mais popular

CTA
^